Escolha Artigo
 Técnico







Pesquisa personalizada
 






Tabela de Tubos API 5 L
Tabela de Normas de Tubos Aço e Similar 
Composição Química (%) e Propriedades Mecânicas - Tubos mais utilizados
Tabelas de Tubos ANSI (Métrica)







NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO
Clique aqui para abrir o arquivo PDF (Acrobat Reader). É necessário que você tenha instalado  o software Acrobat Reader em sua máquina.

COM COSTURAE-MAIL PARA CIRO DE TOLEDO PIZA TEBECHERANI






1.
INTRODUÇÃO
2.
FABRICAÇÃO DE TUBOS
3.
NORMAS DE FABRICAÇÃO
4.
INFORMAÇÕES TÉCNICAS
    4.1 -
Cálculo do Peso Teórico
    4.2 -
Raio de Canto teórico dos Tubos Quadrados e Retangulares
    4.3 -
Cálculo do Diâmetro equivalente de um Perfil Quadrado
    4.4 -
Cálculo do Diâmetro equivalente de um Perfil Retangular
    4.5 -
Cálculo do Peso Teórico de Tubo Quadrado
    4.6 -
Cálculo do Peso Teórico de Tubo Retangular
    4.7 -
Diâmetro Nominal / Real e Schedule



Anexo Fluxograma de Fabricação extraído de catálogos da Pérsico Pizzamiglio S.A.
1. INTRODUÇÃO
Este artigo foi escrito com o objetivo de fornecer as informações básicas que profissionais da área de hidráulica devem ter sobre tubos de aço com costura.
2. FABRICAÇÃO DE TUBOS
Os tubos que iremos comentar, são chamados de "com costura". Esta é uma denominação errônea para o material, porém o nome se consolidou tal como "xerox". Esta denominação veio de muito tempo atrás, quando o processo utilizado era de baixa freqüência (50 ou 60 hz) o que dava ao material uma aparência de material "costurado".
Hoje o processo é realizado com solda longitudinal pelo processo E.R.W. (Solda por Resistência Elétrica) com alta freqüência.
Este processo garante a homogeneidade da matéria-prima com a solda, o que confere excelentes características aos produtos.
Os processos de fabricação para obtenção do produto final variam de acordo com a norma em que o tubo vai ser fabricado.
 

Os tubos podem ser produzidos em uma variada gama de matérias-primas (tipo de aço utilizado), que são normalmente fornecidas segundo  especificações ASTM (American Society for Testing and Materials), DIN (Deustaches Institute for Normuns), API (American Petroleum Institute),  AISI (American Institute of Steel and Iron), SAE (Society of Automotive Engineers), ABNT ( Associação Brasileira de Normas Técnicas) e outras.
A matéria-prima utilizada é comprada em forma de bobinas, que são classificadas em dois grandes grupos:

BF - BOBINA LAMINADA A FRIO: possuem uma cor clara, sendo necessário alguns cuidados especiais aos tubos produzidos nesta matéria-prima , pois ela é altamente susceptível a oxidação ( corrosão, ferrugem).
Os tubos devem ser armazenados e transportados sempre evitando a umidade, senão tendem a amarelar,  o que pode causar sérias conseqüências na utilização final sobre o produto.
Estas bobinas são produzidas normalmente em espessuras abaixo de 2,00 mm e possuem melhor tolerância dimensional e acabamento. Devido seu processo de fabricação ser maior que as BQ,  seu custo final é maior.

BQ - BOBINA LAMINADA A QUENTE: Possuem uma cor escura e são menos susceptíveis a oxidação.
Os tubos podem ser armazenados e transportados em condições normais até mesmo em céu aberto (por pouco tempo) sem ter sua qualidade prejudicada.
Estas bobinas são produzidas normalmente em espessuras acima de 2,00 mm e não possuem uma tolerância dimensional tão restrita quanto as BF, sendo que são também denominadas de BG (Bobinas Grossas), quando a espessura for superior a 5,00 mm.
Quando for necessário em uma espessura de BQ uma melhor condição dimensional podemos fazer uma relaminação a frio da chapa.  Este  processo também é utilizado para se obter espessuras não fornecidas pelas Usinas.
As chapas relaminadas a frio são chamadas de RL.
Quando os tubos de condução são zincados a quente (galvanizados a fogo como são popularmente conhecidos) não temos a preocupação com a superfície do tubo. Devemos apenas tomar pequenos cuidados quanto ao seu armazenamento.
A verificação da qualidade da solda e/ou do produto final pode ser feita através de ensaios destrutivos (Anexos 11a 18) e/ou ensaios não destrutivos, que podem ser:

ELETROMAGNÉTICO: através de correntes parasitas testa o tubo quanto a descontinuidades. Não garante a estanqueidade, porém é admitido como o teste opcional ao hidrostático na maioria das normas de condução devido a sua grande velocidade de execução.

HIDROSTÁTICO: Consiste em testar o tubo a uma determinada pressão hidráulica para garantir a estanqueidade do tubo.

ENSAIOS DESTRUTIVOS: durante o processo de fabricação são realizados vários ensaios mecânicos destrutivos em amostras retiradas durante a produção, tais como alargamento, flangeamento etc.

3. NORMAS DE FABRICAÇÃO
Existe uma gama muito grande de fabricação de tubos de aço com costura que serão citados aqui, porém os que realmente nos interessam são os de condução que será a linha que iremos trabalhar (creio que seja interessante o conhecimento sobre outros tipos para saber da sua existência).
Os tubos de aço carbono com solda longitudinal são divididos em:

              A. Industriais
                  São produzidos para as mais diversas aplicações, desde tubos sem requisitos até tubos para troca térmica e estruturais.

              NBR 6591
                 
Tubos para aplicações diversas sem exigência de acabamento e propriedades mecânicas, com composições
                  químicas definidas.
             
              DIN 1615
                  Tubos não sujeitos a requisitos especiais, na matéria prima  ST 33 (baixo carbono).

              ASTM A-513
                  Tubos para uso mecânico, nos tipos 1 (BQ) e 2 (BF), com propriedades mecânicas  e composição química
                   definidas.
          
              A-500
                  Tubos para uso estrutural em vários graus de matéria prima, com propriedades mecânicas definidas.

               BS 4474
                  Tubos estruturais fabricados a partir da matéria prima laminada a quente.

               ASTM A-214
                  Tubos com composição química definida para trocadores de calor e condensadores.

              ASTM A-178
                  Tubos para caldeiras, superaquecedores e vasos de pressão, em vários graus de matéria prima..
                  Os requisitos de propriedades mecânicas não se aplicam a tubos de diâmetro interno menor que 3,2 mm e espessura
                  de parede menor que 0,4 mm.

              DIN 1626
                  Tubos sujeitos a requisitos especiais, para pressões máximas definidas e temperaturas de trabalho de até 300 graus  C,
                  com composições químicas definidas.

              DIN 1628
                  Tubos de alta performance, normalmente sem limite de pressão de trabalho, porém, deve ser usado a temperatura de
                  no máximo 300 graus C.,  com
                  composições químicas definidas.

              NFA 49-643
                 Tubos comerciais de qualidades 1 (não decapados) e 2 (decapados) e nas tolerâncias classes 1 e 2 , com composições
                 químicas definidas e seções  (para classes):
                      - Redonda
                      - Quadrada
                      - Retangular

             B. Precisão
                 São utilizados onde é necessário precisão dimensional e/ou boa qualidade superficial.
            
             DIN 2393
                  Tubos de precisão interna e externa, com composições químicas e propriedades mecânicas definidas, nos
                  graus de qualidade A,B ou C.
                  Podem ainda ser fornecidos nos estados BK (sem tratamento térmico após a última de formação a frio), BKW
                  (pequeno passe de trefila após o último
                  tratamento térmico), GBK (recozido em atmosfera controlada) ou NBK (normalizado em atmosfera controlada).

             DIN 2394
                  Tubos de precisão externa, com composições químicas e propriedades mecânicas definidas e nos graus de qualidade A,
                  B ou C.
                  Podem ainda ser fornecidos nos estados BKM (sem tratamento térmico após a calibração), GBK (recozidos em atmosfera
                  controlada) ou NBK (normalizado em atmosfera controlada).

            DIN 2395
                  Tubos de precisão para uso geral, nas seções quadradas e retangulares, com composições químicas definidas e nos
                  graus de qualidade A ou B.
                  Podem ainda ser fornecidos nos estado M (sem tratamento após o bitolamento), BKM (como o M, porém brilhante) ou
                  para  o grau B pode ser também NBK (recozido em atmosfera controlada).

             NBR 5599
                  Tubos de precisão interna e externa, com composições químicas e propriedades mecânicas definidas, e em vários
                  graus de matéria prima.
                  Podem ainda ser fornecidos nos estados TD (Trefilado Duro), TM (Trefilado Macio), RB (Recozido Branco), RD
                  (Recozido Decapado), NB (Normalizado Branco) e ND (Normalizado Decapado).

            C. Condução
                São utilizados para condução de gazes e líquidos não corrosivos e sólidos em suspensão. As normas de tubos de
                condução que realmente são mais utilizados estão destacados em itálico.
                Vide também fluxogramas com processo de fabricação de tubos de condução preto com ponta biselada (sem rosca,
                próprio para soldagem ou posterior roscamento) ou galvanizado com ponta roscada e luva.

             ASTM  A-135
                  Tubos de condução nos graus A e B, com composição química e propriedades mecânicas definidas.  Sendo o de
                  grau A apto  a ser dobrado ou flangeado.
                  São normalmente fornecidos no SHC 10, com diâmetro nominal variando de 3/4 a 5".
                  Pode ser fornecido com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).

             ASTM A-53
                  Tubos de condução nos graus A e B, com composição química e propriedades mecânicas definidas.  Sendo  o de grau A
                  apto a ser dobrado, flangeado e serpentinado;  e o grau B podendo sofrer dobramento e flangeamento limitados.
                  São fornecidos normalmente nos SCH 40 e SCH 80. Pode ser fornecido com extremidades lisas, chanfradas ou com
                  rosca (com ou sem luva).
                  Esta norma é praticamente igual a norma brasileira NBR 5590.

              ASTM A-120
                  (apesar de ainda comprado esta norma foi em 1989 englobada pela ASTM A-53)
                  Tubos de condução, sem matéria prima especificada, normalmente nos SCH 40 e SCH 80.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).

             DIN 2440
                  Tubos de condução, sem materia prima especificada, para  pressões de no máximo 25 Kgf/cm2 para líquidos e
                  10 Kgf/cm2 para ar e gazes não perigosos.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).
                  Esta norma é praticamente igual a norma brasileira NBR 5580 classe M.

             DIN 2441
                  Tubos de condução, sem matéria prima especificada, para pressões de no máximo 25 Kgf/cm2 para líquidos e
                  10 Kgf/cm2 para ar e gazes não perigosos.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas  ou com rosca (com ou sem luva).
                  Esta norma é praticamente igual a norma brasileira NBR 5580 classe P.

             BS 1387
                  Tubos de condução, com composição química e propriedades mecânicas definidas, nas classes leve, media e pesada.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).
                  Esta norma é praticamente igual a norma brasileira NBR 5580.

             NBR 5580
                  Tubos de condução, sem matéria prima especificada, nas séries leve, media e pesada.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).
                  Para um pequeno resumo desta norma podemos consultar o nosso catálogo técnico de conexões

             NBR 5590
                  Tubos de condução nos graus A e B, com composição química e propriedades mecânicas definidas.  Sendo  o de grau A
                  apto a ser dobrado, flangeado e serpentinado;  e o grau B podendo sofrer dobramento e flangeamento limitados.
                  São fornecidos normalmente nas Série 40 e Série 80.
                  Pode ser fornecido com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).
                  Para um pequeno resumo desta norma podemos consultar o nosso catálogo técnico de conexões

             NF A 49-141
                  Tubos de condução, com composição química definida, com pressão máxima admissível de uso de 36 bar à
                  temperatura ambiente. Possuem as extremidades lisas.

            NF A 49-145
                  Tubos de condução, com  propriedades mecânicas definidas nas séries leve, média e pesada.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).

             JIS G 3456
                  Tubos de condução, com  propriedades mecânicas definidas.
                  Podem ser fornecidos com extremidades lisas, chanfradas ou com rosca (com ou sem luva).

             D. Petrolíferos
                 Usados para exploração, produção e condução de petróleo, seus derivados, sub produtos e equivalentes.
                 Vide também fluxograma de fabricação.

             API 5 CT
                 Tubos destinados a revestimento de poços (CASING) e a produção (TUBING).
                 Podem ser fornecidos em vários graus de matéria prima.

             API 5 L
                  Tubos para condução de fluidos em refinaria de petróleo, transporte de água, gás natural ou mesmo outros gazes.
                  Podem ser fornecidos em vários graus de aço.

            E. Eletrodutos
                 São utilizados para a proteção de condutores elétricos (cabos e fios).

             ANSI C 80.1
                 Tubos galvanizados para proteção de condutores elétricos.
                 Não possuem materia prima definida, porem são aptos de serem curvados.
                  Podem ser fornecidos com pontas lisas ou com rosca (com ou sem luva).

             NBR 5597
                 Tubos galvanizados nas séries extra e pesada, para proteção de condutores elétricos.  O aço utilizado é de baixo teor
                 de carbono e eles são aptos a serem curvados.
                 Podem ser fornecidos com pontas lisas ou com rosca (com ou sem luva).

             NBR 5598
                Tubos galvanizados para proteção de condutores elétricos.  O aço utilizado é de baixo teor de carbono e eles
                 são aptos a serem curvados. Podem ser fornecidos com pontas lisas ou com rosca (com ou sem luva).

            OBS:
            1. Muitas vezes os distribuidores e compradores utilizam alguns termos errados. Os principais são:
                Querer um tubo SCH (se lê squédule), por exemplo um tubo SCH 40 de 1" significa um tubo ASTM A 53 SCH 40 de
                1", onde o NBR 5590 Série 40 é o mesmo tubo. Algumas poucas vezes, o comprador ou especificador quando pede
                SCH pode também estar querendo um tubo sem costura.
                Querer um tubo médio ou pesado é o mesmo que estar querendo um tubo NBR 5580 classe média ou pesada.
            2. As normas MERCOSUL ainda não foram citadas pois apesar de muitas já tratadas ainda não foram publicadas oficialmente.
            3. As normas acima citadas foram objeto de uma pesquisa realizada em 1992, não tendo sido feita uma atualização para este
                trabalho, porém não creio que tenha havido mudanças substanciais em alguma norma.

4 - INFORMAÇÕES TÉCNICAS

        4.1 Cálculo do Peso Teórico de um Tubo Redondo de Aço Carbono
               P = 0,0246615 x (D - e)  x  e
               Sendo:
               P = Peso do tubo em Kg/metro.
               D = Diâmetro externo do tubo em mm.
               e = Espessura da parede do tubo em mm.
               Obs: estamos considerando tubos de aço preto e não galvanizados onde teremos um pequeno acréscimo no peso por metro

         4.2 Raio de Canto Teórico dos Tubos Quadrados e Retangulares .
               Normalmente os fabricantes possuem um padrão interno para a fabricação de tubos quadrados e retangulares de forma
               que o seu raio de canto deva ser de aproximadamente duas vezes a espessura de parede. Este valor também é especificado
               em algumas normas de fabricação.
               Ex: Raio de Canto na norma ASTM A 500, até 3 vezes a espessura (máximo admitido).
               O raio de canto poderá ser maior ou menor que o mencionado anteriormente dependendo da exigência da norma ou do
               processo de fabricação.

          4.3 Cálculo do Diâmetro Equivalente de um Perfil Quadrado
               Para se saber qual é o diâmetro de origem de um tubo quadrado devemos utilizar a seguinte fórmula:
               Sendo:
               De = 1,27 x L
               De = Diâmetro Equivalente
               L = Lado do Perfil Quadrado
               OBS.: Consideramos o raio de canto igual a 2 vezes a espessura.

        4.4  Cálculo do Diâmetro Equivalente de Perfil Retangular
               Para saber qual é o diâmetro de origem de um tubo retangular, devemos utilizar a seguinte fórmula:
               Sendo:
               De = 1,27 x (L1 + L2) / 2
               De = Diâmetro Equivalente
               L1  = Lado Maior do Perfil Retangular
               L2  = Lado Menor do Perfil Retangular
               OBS.: Consideramos o raio de canto igual a 2 vezes a espessura.

         4.5  Cálculo do Peso Teórico de um Tubo Quadrado
               P = 0,0246615 x (1,27 x L - e) x e
               Sendo:
               P = Peso em kg/metro
               L = Lado do Quadrado (mm)
               e = espessura do Tubo (mm)

        4.6  Cálculo do Peso Teórico de um Tubo Retangular
               P = 0,0246615 x (1,27 x ( L1 + L2 ) - e) x e 
                                                              2
               P = Peso em kg/metro
               L1 = Lado maior (mm)
               L2 = Lado menor (mm)
               e   = Espessura (mm)

         4.7 Diâmetro Nominal / Real e Schedule
               Diâmetro Nominal, também chamado de "Tamanho Nominal", é o termo consagrado comercialmente para designação
               do diâmetro dos tubos de condução, eletroduto e petrolífero.
               Às vezes é também designado como "Bitola", porém na terminologia técnica brasileira, o termo "bitola" deve ser evitado.
               OBS.: O diâmetro nominal não corresponde a medida efetiva ou real da circunferência externa do tubo, vide tabela abaixo.

 
 

DIÂMETRO EXTERNO (mm) para tubos de condução

DIAMETRO
NOMINAL

TAMANHO
NOMINAL

ASTM
A120/A135

BS
1387

DIN
2440

NBR
5580

NBR
5590

1/8

6

   

10,20

10,20

10,29

¼

8

 

13,50

13,50

13,50

13,72

3/8

10

 

17,20

17,20

17,20

17,25

½

15

21,30

21,30

21,30

21,30

21,34

¾

20

26,70

26,90

26,90

26,90

26,67

1

25

33,40

33,70

33,70

33,70

33,40

1 1/4

32

42,20

42,40

42,40

42,40

42,16

1 1/2

40

48,30

48,30

48,30

48,30

48,26

2

50

60,30

60,30

60,30

60,30

60,32

2 1/2

65

73,00

76,10

76,10

76,10

73,03

3

80

88,90

88,90

88,90

88,90

88,90

3 1/2

90

101,60

101,60

101,60

101,60

101,60

4

100

114,30

114,30

114,30

114,30

114,30

5

125

141,30

139,70

139,70

139,70

141,30

6

150

168,30

165,10

165,10

165,10

168,28

DIÂMETRO EXTERNO (mm) para eletrodutos de aço

DIAMETRO
NOMINAL

TAMANHO
NOMINAL

NBR
5597

NBR
5598

ANSI
C 80

1/8

6

     

¼

8

     

3/8

10

17,1

17,2

17,1

½

15

21,3

21,3

21,3

¾

20

26,7

26,9

26,7

1

25

33,4

33,7

33,4

1 1/4

32

42,2

42,4

42,2

1 1/2

40

48,3

48,3

48,3

2

50

60,3

60,3

60,3

2 1/2

65

73,0

76,1

73,0

3

80

88,9

88,9

88,9

3 1/2

90

101,6

101,6

101,6

4

100

114,3

114,3

114,3

5

125

141,3

139,7

141,3

6

150

168,3

165,1

168,3

Schedule é a denominação dada ao resultado arredondado a dezena calculado pela fórmula:
SCH =  P / S onde P é a pressão de trabalho do tubo e S é a tensão (pressão) correspondente a 60% do limite de escoamento do material a 20 Graus C. Portanto para um mesmo diâmetro externo de um tubo de condução, quanto maior o SCH maior a espessura de parede em relação ao seu diâmetro.
O Schedule define, portanto, a espessura de parede do tubo de condução, sendo que os valores estabelecidos para cada Schedule (espessura) nos vários diâmetros são tabulados e convencionados nas normas correspondentes (para maiores informações sobre SCH veja também o Boletim Técnico número 3 da Engenharia de Aplicação).

Por exemplo, os tubos das normas americanas (carbono - ASTM), seguem o padrão definido na norma ANSI B 36.10 (a norma brasileira NBR 5590 também segue este padrão).
Nas normas européias (DIN, BS e outras), bem como nas normas brasileiras (ABNT) não é comum a designação das espessuras em Schedule e sim conforme recomendação da ISSO (INTERNACIONAL STANDARDZATION ORGANIZATION) que estabelece classes de espessuras, que são definidas conforme tabela de cada norma.
Por exemplo, na NBR 5580 temos classes leve, média e pesada.

A tabela a seguir fornece a espessura de parede dos tubos em função do diâmetro nominal (em polegadas) e o Schedule.

DIAMETRO  NOMINAL

SCH 40

SCH 80

1/8

1,73

2,41

¼

2,24

3,02

3/8

2,31

3,20

½

2,77

3,73

¾

2,87

3,91

1

3,38

4,55

1 1/4

3,56

4,85

1 1/2

3,68

5,08

2

3,91

5,54

2 1/2

5,16

7,01

3

5,49

7,62

3 1/2

5,74

8,08

4

6,02

8,56

5

6,55

 

6

7,11

 
E-MAIL PARA CIRO DE TOLEDO PIZA TEBECHERANI
Clique aqui para abrir o arquivo PDF (Acrobat Reader). É necessário que você tenha instalado  o software Acrobat Reader em sua máquina.